25 02 2021 policia jac professoraNo dia 7 de abril de 1998 a professora Beatriz Junqueira, 31 anos, foi morta após ser sequestrada na porta da escola estadual onde trabalhava, no bairro Chácaras Reunidas em Jacareí (SP).

Um dos criminosos era um ex-aluno e havia sido expulso da unidade por iniciativa da professora, que combatia o tráfico de drogas no local.

Após 23 anos do crime, a Justiça condenou o Estado a indenizar a mãe, o pai e o ex-marido dela em R$ 50 mil para cada um. A Procuradoria do Estado recorre da condenação.

Após a morte, a família recorreu à Justiça pedindo a indenização por danos morais pela morte de Beatriz. O montante pedido à época foi calculado sobre o valor que ela receberia até se aposentar e chegava a R$ 1,2 milhão, porém, no decorrer dos mais de 20 anos do caso, o valor foi substituído por R$ 50 mil para o marido viúvo, a mãe e o pai da professora. O valor será acrescido de juros, que ainda serão definidos pela Justiça.

O pedido havia sido recusado inicialmente pela Justiça, mas a família recorreu e teve a indenização mantida em segunda instância.

“Isso nos dá alguma sensação de justiça porque o Estado não a protegeu. Minha filha morreu trabalhando. Mas não é nada além disso, a gente tem vivido até hoje porque não morreu junto”, comentou a mãe, Lenira Junqueira.

Após o crime, o corpo da docente foi abandonado em um terreno baldio em São Bernardo do Campo.

Luta contra o tráfico

Segundo a família, à época do crime, a professora estava como vice-diretora na escola e vinha atuando contra o tráfico e assédio de adolescentes para a venda de drogas. Um dos envolvidos era um ex-aluno que havia sido expulso por iniciativa dela, seis anos antes.

A mãe conta que no dia do crime, a filha chegou a ser ameaçada e teve uma reunião com a direção e que seria dispensada de ir à noite nos próximos dias. Porém, ela acabou sendo assassinada.

“Minha filha amava o que fazia, dava o melhor dela e morreu fazendo o melhor que podia. Vinte e três anos depois a gente vê uma resposta da justiça”, comentou a mãe.

À época, o crime chocou a cidade. Anos depois, Beatriz foi homenageada e atualmente a escola municipal do bairro Parque Meia Lua recebeu o nome dela, em homenagem.

Procurada a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo informou que apresentou recurso contra a decisão judicial.


13 05 2021 regiao crz vacinometro13 05 2021 regiao crz corona faixa etaria

13 05 2021 regiao crz numero corona

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01