24 01 2019 mundo atiradorUm homem armado matou ao menos cinco pessoas nesta quarta-feira (23) em um banco em Sebring, na Flórida (Estados Unidos). O atirador, identificado como Zephen Xaver, de 21 anos, foi preso.

O chefe da polícia local, Karl Hoglund, afirmou em coletiva de imprensa que as vítimas foram assassinadas "sem sentido". As autoridades ainda investigam o porquê de Xaver ter atirado contra as pessoas no banco. Não está claro se ele tentou assaltar a agência ou se o ataque teve qualquer outra razão.

Também não há informação sobre a identidade dos mortos, se eles eram clientes do banco ou funcionários.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, viajou a Sebring para falar sobre o assassinato e prometeu colaborar com as investigações. Pelo Twitter, ele falou sobre o acusado detido:

"É uma pessoa que precisa encarar a Justiça rápida e eficaz", declarou

24 01 2019 mundo ghosnO presidente da montadora francesa Renault, Carlos Ghosn, detido no Japão há 2 meses, renunciou à direção do grupo, anunciou nesta quinta-feira (24) o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, segundo a agência AFP.

A montadora era, até então, a única marca da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi a mantê-lo no cargo após sua prisão. O executivo é acusado de fraudes fiscais.

A renúncia de Ghosn, executivo de nacionalidade francesa, libanesa e brasileira, foi comunicada na quarta-feira à direção do grupo, disse Le Maire, que participa do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

O conselho de administração da Renault deve se reunir nesta quinta-feira em Paris para definir um novo presidente e um diretor geral. O francês Thierry Bolloré, que ocupava a vice-presidência e foi nomeado como presidente interino na ausência de Ghosn, é o mais cotado para assumir o cargo de chefe executivo da Renault.

Ghosn permanecerá preso ao menos até 10 de março, depois que um tribunal de Tóquio rejeitou um pedido de liberdade sob fiança na terça-feira (22).

O executivo foi afastado da presidência do conselho da Nissan e da Mitsubishi pouco depois de ser detido, em 19 de novembro.

Na época, a Renault decidiu criar um comando interino para a montadora, com Bolloré à frente, e o manteve o brasileiro tanto no cargo de presidente do conselho quanto de presidente da montadora.

Mas, após Ghosn ser indiciado pela promotoria japonesa e novas denúncias serem apresentadas, fazendo com que ele continuasse na prisão, o governo francês pediu que ele fosse substituído pela Renault. O estado é um dos acionistas da montadora.

Após o pedido, feito no último dia 16, a fabricante francesa disse que estava trabalhando ativamente na troca de comando.

Fraudes fiscais

Considerado até então um executivo "superstar" do setor automotivo, Ghosn é acusado de violações e fraudes fiscais envolvendo a Nissan, bem como do uso de recursos da empresa para benefícios particulares e para cobrir prejuízos em investimentos pessoais.

Não há previsão de que ele deixe a prisão. O brasileiro teve diversos pedidos de liberdade sob pagamento de fiança negados, o mais recente na última terça (22).

A Justiça ainda não decidiu se aceitará as duas acusações apresentadas até agora contra Ghosn pelos promotores, tornando-o réu. Se isso acontecer, a previsão é de que o julgamento aconteça em meados deste ano e ele pode ser condenado a até 15 anos de prisão.

24 01 2019 mundo eleicoes venezuelaA União Europeia fez um apelo na noite de quarta-feira (23) para a organização de “eleições livres e credíveis” na Venezuela. A declaração aconteceu no dia em que o presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaidó, declarou-se presidente interino.

A nota divulgada pela União Europeia, no entanto, não menciona diretamente a iniciativa de Guaidó, que já foi reconhecida por vários países, entre eles, o Brasil e os Estados Unidos. Nicolás Maduro, que se diz alvo de um golpe, afirmou que não vai se render.

No dia em que os venezuelanos foram às ruas em manifestações pró e contra o governo chavista, a Alta Representante para a Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou em nota que o povo da Venezuela “pediu maciçamente a democracia e a possibilidade de determinar livremente seu próprio destino. Essas vozes não podem ser ignoradas”.

“A UE apela fortemente ao início de um processo político imediato que conduza a eleições livres e credíveis, em conformidade com a ordem constitucional”, diz a nota de Mogherini. "A UE apoia plenamente a Assembleia Nacional como instituição democraticamente eleita cujos poderes devem ser restaurados e respeitados."

Mogherini ainda defende que "os direitos civis, a liberdade e a segurança de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo o seu Presidente, Juan Guaidó, devem ser observados e plenamente respeitados”. Guaidó já foi detido há alguns dias após declarar estar disposto a assumir a Presidência.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também fez um apelo pelo diálogo para evitar “um desastre” no país.

"O que esperamos é que o diálogo seja possível e evitar uma escalada que nos levaria a um tipo de conflito que poderia ser um desastre para o povo da Venezuela e para a região", declarou.

"Os governos soberanos têm a possibilidade de decidir o que querem. O que nos preocupa na situação da Venezuela é o sofrimento do povo da Venezuela", completou.

'Golpe'

Maduro acusou os Estados Unidos – primeiro país a reconhecer Guaidó como presidente interino – de dirigirem uma operação para impor um golpe de estado e anunciou o rompimento de relações diplomáticas e políticas com o país.

As autoridades norte-americanas, no entanto, não reconheceram a declaração de Maduro. Juan Guaidó já enviou um pedido às embaixadas para que funcionários não deixem o país e afirmou que manterá relações diplomáticas com todos os países.

Em discurso, Maduro afirmou na quarta que foi eleito pelo voto popular. "Só as pessoas colocam e só as pessoas removem. Pode um 'qualquer' se declarar presidente ou é o povo que elege o presidente?", questionou.

Maduro, que conta com o apoio das Forças Armadas, também prometeu resistir.

"Aqui não se rende ninguém, aqui não foge ninguém. Aqui vamos ao combate. E aqui vamos à vitória da paz, da vida, da democracia", disse.

Brasil

Jair Bolsonaro reconheceu Guaidó como presidente da Venezuela durante encontro com líderes de outros países em Davos, na Suíça, onde participava do Fórum Econômico Mundial.

Questionado a sobre a crise venezuelana, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que não considerava tomar medidas militares, mas deixou claro que "todas as opções estão sobre mesa".

Hamilton Mourão, que ocupa a Presidência em razão da viagem de Bolsonaro, declarou que o Brasil não participaria de uma eventual intervenção dos Estados Unidos no país. Segundo ele, não faz parte da política externa brasileira “intervir” em questões internas de outros países.

Já a Rússia, que é aliada de Maduro, reafirmou seu apoio ao líder chavista. Em comunicado, o ministério russo das Relações Exteriores declarou que a interferência externa destrutiva é inaceitável e abre espaço para a desordem e "o banho de sangue".

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse ainda que declarações de autoridades americanas que sugerem a possibilidade de intervenção militar são muito perigosas.

Protestos continuam

Após a grande mobilização popular de quarta-feira em Caracas, a Venezuela continuou a enfrentar protestos durante a madrugada desta quinta-feira (24). Trata-se do 3º dia consecutivo de manifestações contra o governo de Maduro.

De acordo com a agência de notícias EFE, os protestos desta quinta-feira voltaram a se concentrar em bairros populares de Caracas, antes considerados bastiões do chavismo, que governa o país desde 1999.

Desde o início das manifestações, pelo menos 13 pessoas morreram no país, segundo a ONG Observatório Venezuelano de Conflito Social (OVCS). De acordo com o órgão, as vítimas foram atingidas por disparos e foram atacadas por agentes da polícia ou por grupos paramilitares.

23 01 2019 mundo trump vetaA Suprema Corte dos Estados Unidos autorizou, nesta terça-feira (22), o veto do presidente Donald Trump que proíbe que transgêneros prestem serviço às Forças Armadas. A decisão vai contra a política aprovada pelo Departamento de Defesa durante a gestão do democrata Barack Obama, que taxava a proibição como “discriminatória”.

O caso ainda não foi completamente analisado pelos juízes da Suprema Corte, porém, enquanto cortes menores trabalham nele, já foi permitido que o veto entre em vigor e impeça transgêneros de prestarem serviço militar.

A intenção da proibição já havia sido anunciada pelo presidente americano em julho de 2017. Na época, Trump se pronunciou sobre o assunto nas redes sociais e disse que o governo dos Estados Unidos havia chegado a tal decisão após debate entre generais e especialistas militares das Forças Armadas dos EUA.

“Nossos militares devem estar focados na vitória decisiva e devastadora e não podem ficar sobrecarregados com os tremendos custos médicos e perturbações que o transgênero militar poderia nos envolver. Obrigado", escreveu o presidente em sua página no Twitter.

Após o pronunciamento, a Casa Branca chegou a aconselhar que pessoas que tinham como pretensão passar por operação de mudança de sexo não se alistassem no exército. Apesar de a medida ter sido bloqueada pela Justiça na época, o Departamento de Defesa apresentou, em março de 2018, uma legislação estabelecendo que indivíduos que possuíam “histórico de disforia de gênero (...) ficam desqualificadas do serviço militar sob circunstâncias limitadas”.

O que ainda é incerto é o que poderá acontecer com os integrantes transgêneros que já fazem parte das Forças Armadas, já que não houve menção à provável expulsão.

Desde 2016, o secretário de Defesa do governo Obama, Ash Carter, aprovou decisão que determinava que indivíduos transgêneros poderiam prestar serviço militar abertamente, caso elas tivessem padrões de saúde adequados para exercer a função e tivessem identidade de gênero estável há, no mínimo, 18 meses. A partir disso, também foi dado aos transgêneros o direito de receber assistência médica e dar início ao processo de mudança de identidade de gênero no sistema do Pentágono.

Essa não é a primeira decisão referente aos transgêneros a ser revogada desde o início do governo de Trump. Logo no início do mandato, o presidente proibiu que transgêneros usassem banheiros públicos de prédios e escolas de acordo com sua orientação sexual

23 01 2019 mundo frangosDe acordo com Moussa, "o mundo árabe está enfurecido [com o Brasil]" desde Bolsonaro manifestou interesse em transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, em Israel. O ex-secretário disse que, por esse motivo, a Arábia Saudita descredenciou 33 frigoríficos brasileiros. 

“Essa é uma expressão de protesto contra uma decisão errada por parte do Brasil", disse Amr Moussa . "Muitos de nós não entendemos o motivo pelo qual o novo presidente do Brasil trata o mundo árabe desta forma", completou.

Apesar da declaração do líder árabe, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou hoje (22), em nota, que a suspensão dos aos frigoríficos foram causadas por questões técnicas. "As razões informadas para a não-autorização das demais plantas habilitadas decorrem de critérios técnicos", escreveu.

Segundo a associação, eles já estão trabalhando para habilitar novamente os frigoríficos perante às autoridades sauditas. "A ABPA está em contato com o governo Brasileiro para que, em tratativa com o Reino da Arábia Saudita, sejam solvidos os eventuais questionamentos e incluídas as demais plantas", diz a nota. 

De acordo com a ABPA, entre os 58 frigoríficos de carne de frango habilitados para exportar ao país, apenas 25 foram autorizados pela Arábia Saudita para continuar o processo. Entre os descredenciados, estão unidades da BRF e JBS , grandes empresas do setor.

Atualmente, o país é o maior importador de frango do Brasil, ficando com 14% da produção do alimento. Em segundo lugar aparece a China, que importa 11% deste tipo de carne. 

Recentemente, a Liga Árabe aprovou uma resolução pedindo que o Brasil “respeite o direito internacional” e que abandone a ideia de mudar a embaixada para Jerusalém. Além disso, o conselho também avisou aos embaixadores brasileiros presentes nos diferentes países árabes que “Estados membros da Liga Árabe tomariam as medidas políticas, diplomáticas econômicas necessárias em relação a essa ação ilegal”.

“Eu acredito que tais medidas (como o descredenciamento dos frigoríficos) vão continuar”, disse Moussa. “A única forma de evitar isso é se o Brasil desistir dessa ideia. Jerusalem é uma capital de dois Estados, não de um.”

Hoje, a embaixada do Brasil em Israel está localizada na cidade de  Tel Aviv , internacionalmente reconhecida como a capital do país. Há mais de 100 anos, árabes e judeus travam uma intensa batalha para assumir Jerusalém como a capital da Palestina e de Israel, respectivamente.

A transferência da embaixada é um movimento que pode ser interpretado como o reconhecimento, por parte do Brasil, de que Jerusalém é a capital de Israel, e não da Palestina – uma decisão considerada polêmica e que pode até ser prejudicial. Para países do Oriente Médio, como a  Arábia Saudita , a  iniciativa é tida como uma provocação .

23 01 2019 mundo salaAs buscas pelo avião que transportava o jogador argentino Emiliano Sala foram retomadas na manhã desta quarta-feira (23). A aeronave desapareceu enquanto sobrevoava o Canal da Mancha, que fica entre a França e o Reino Unido.

O monomotor modelo Piper Malibu, com dois passageiros, tinha decolado do aeroporto de Nantes (França) e seguia para Cardiff, no País de Gales, na noite de segunda-feira (21). A aeronave desapareceu dos radares por volta das 20h30 (horário local) quando estava a cerca de 20 km ao norte da ilha britânica de Guernsey.

A polícia de Guernsey informou que está priorizando seus esforços na possibilidade de o avião em que Sala estava ter pousado na água e de o argentino ter entrado em um bote salva-vidas que estava a bordo.

A polícia disse que outras três possibilidades são que Sala e o piloto do avião tenham aterrissado em outro lugar, mas não tenham conseguido fazer contato; que tenham sido resgatados por algum navio que passava; ou que a aeronave tenha se partido ao bater na água.

Dois aviões sobrevoam uma área específica onde a equipe acredita que seja mais provável encontrar vestígios, com base no estudo das marés e das condições meteorológicas. Áreas costeiras ao redor da ilha de Alderney, assim como ilhas próximas, serão sobrevoadas.

"Nossa área de busca é priorizada na opção de bote salva-vidas", disse a polícia de Guernsey pelo Twitter.

Na terça-feira, a polícia havia informado que as buscas pelo avião se concentravam em uma área de cerca de 3 mil km², perto da costa noroeste da França.

Gravação

O jornal argentino "Clarin" divulgou o conteúdo de um áudio que o jogador mandou por Whatsapp para um grupo de amigos quando estava no avião em que desapareceu. O diário argentino afirma que o pai do atleta confirmou sua veracidade.

Na gravação, Sala começa cumprimentando os amigos e contando que teve de resolver muitas coisas antes de deixar Nantes. "Não termina nunca", comenta. Em seguida ele faz menção ao avião.

"Estou aqui no avião que parece que está para cair aos pedaços e estou indo para Cardiff. (...) Se em uma hora e meia não tiverem nenhuma notícia minha, não sei se vão mandar alguém procurar por mim, porque não vão me encontrar, mas ...bem ... Papai, que medo tenho... "

Segundo o "Clarín", o pai do jovem está em sua cidade, Progreso, sem "perder as esperanças de um milagre".

Quem é Emiliano Sala?

Sala é um jogador argentino de 28 anos que, no sábado (19), teve a transferência confirmada do Nantes para o Cardiff City FC – time que, apesar de representar a capital do País de Gales, joga a primeira divisão inglesa.

O Nantes, antigo clube de Sala, colocou a foto do jogador no lugar do perfil no Twitter. O time pediu que torcedores colocassem uma tulipa amarela no pé de uma fonte no centro da cidade, em um ato marcado para o fim desta tarde.

Na terça, o presidente do Cardiff City, Mehmet Dalman, declarou que o clube estava muito preocupado com as notícias do desaparecimento no Canal da Mancha. Sala era a contratação mais cara do clube.

"Estamos aguardando a confirmação antes que possamos dizer mais alguma coisa. Estamos muito preocupados com a segurança de Emiliano Sala", afirmou.

23 01 2019 politica bolsonaro davosO presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (22), em encontro com executivos no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que por ora o Brasil não vai deixar o Acordo de Paris sobre o clima. A informação é do Jornal Nacional.

O tratado mundial prevê a redução da emissão de gases que aumentam a temperatura do planeta. O acordo foi fechado numa conferência das Nações Unidas em 2015.

Durante a campanha eleitoral, em setembro, Bolsonaro disse que, se eleito, poderia retirar o Brasil do Acordo de Paris. No mês seguinte, no entanto, afirmou que não iria tirar o país do tratado caso se tornasse presidente. Em dezembro, já eleito, afirmou que só iria sair se acordo não fosse alterado.

Bolsonaro diz que Brasil não vai deixar o Acordo de Paris, por ora

Na segunda-feira (21), o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, disse que o governo precisa adotar políticas públicas que expliquem melhor à comunidade internacional as intenções da nova gestão nas áreas de direitos humanos e clima.

Witschel deu a declaração no Palácio do Planalto, após se reunir o presidente em exercício Hamilton Mourão.

"Acho que é importante que o governo faça uma política pública que explique as intenções, as reformas e também explique que os direitos humanos, a luta contra a mudança climática continuará. Estou otimista, mas temos afazeres juntos", afirmou o embaixador.

O discurso em Davos

Mais cedo, em sua estreia em eventos internacionais, Bolsonaro discursou na abertura da sessão plenária do Fórum, em Davos. Em sua fala, o presidente disse que quer conciliar preservação ambiental com avanço econômico.

No discurso de pouco mais de seis minutos, Bolsonaro afirmou que:

- o governo investirá "pesado" em segurança para que estrangeiros visitem mais o Brasil

- pretende "avançar" na compatibilização de preservação ambiental e desenvolvimento econômico

- diminuirá a carga tributária para "facilitar a vida" de quem produz

- trabalhará pela estabilidade macroeconômica

- respeitará contratos

- promoverá privatizações

- fará o equilíbrio das contas públicas

- colocará o Brasil no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios

- fará a "defesa ativa" da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC)

- defenderá a família e os "verdadeiros" direitos humanos

- protegerá o direito à vida e à propriedade privada

- promoverá uma educação voltada aos desafios da "quarta revolução industrial", que consiste na aplicação de tecnologias modernas (como inteligência artificial, automação e 5G) na indústria

21 01 2019 mundo chinaO Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,6% em 2018, uma queda de 0,2 pontos percentuais em relação ao ano anterior, informou nesta segunda-feira (21) o Escritório Nacional de Estatísticas (ONE). É a pior expansão da economia do país desde 1990.

O diretor do órgão, Ning Jizhe, disse que a queda de 0,2 pontos percentuais do PIB em relação a 2017 era "algo esperado" devido ao "complexo entorno doméstico e internacional", apontou a EFE. A redução no crescimento acontece sob o peso do enfraquecimento da demanda doméstica e das tarifas dos Estados Unidos, pressionando Pequim a adotar mais medidas de estímulo para evitar uma desaceleração mais acentuada.

Leia mais...

21 01 2019 mundo explosao mexicoPor ordem do presidente do México, Andrés López Obrador, a partir desta segunda-feira (21), o procurador-geral da República, Alejandro Gertz Manero, comandará as investigações sobre a explosão de um gasoduto da Petróleos Mexicanos (Pemex) em Tlahuelilpan, Hidalgo.

No último domingo (21), o balanço oficial era de 85 mortos e 58 feridos, dos quais um paciente foi transferido para Galveston, no Texas, Estados Unidos. Os demais recebem atendimentos em hospitais da região, a maioria por queimaduras.

Leia mais...

17 01 2019 mundo theresa mayEm um momento crucial para o Brexit, o Parlamento britânico votou nesta quarta-feira, 16 pela continuidade da conservadora Theresa May à frente do governo. A derrubada da moção de censura a May, apresentada pelo líder oposicionista Jeremy Corbyn, por 325 votos contra 306 votos traz a perspectiva de um novo acordo sobre o Brexit ser apresentado nos próximos dias.

A moção de censura foi pedido na terça-feira, logo depois do fracasso de May em obter a aprovação do Parlamento ao acordo que firmada com a União Europeia sobre o Brexit. Ela deverá, agora, apresentar até a próxima sexta-feira um novo acordo à Câmara dos Comuns, cujos termos poderão ser emendados pelos legisladores.

Leia mais...

17 01 2019 mundo antimisseisO presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revelará nesta quinta-feira sua nova estratégia de defesa antimísseis, desenhada para enfrentar a ameaça representada pelos novos armamentos de China, Rússia, Irã e Coreia do Norte.

Trump irá ao Pentágono para apresentar uma análise encomendada em 2017 e aguardada há meses, informaram funcionários americanos.

No documento do Pentágono detalha os novos projetos para proteger os Estados Unidos dos novos mísseis hipersônicos de China e Rússia, que podem se deslocar a mais de 5.000 km/h e manobrar, sendo quase impossíveis de interceptar.

Leia mais...

17 01 2019 mundo vulcaoO vulcão situado na pequena ilha de Kuchinoerabu, no sul do Japão, entrou em erupção nesta quinta-feira (17/01), segundo a agência meteorológica nacional. Não há registro de feridos ou danos.

As cinzas subiram a mais de 6 km e caíram em um raio de 1,5 km, relatou o governo.

"Tomamos todas as medidas para garantir a segurança", afirmou o porta-voz do Executivo, Yoshihide Suga, em entrevista coletiva. Até o momento não há ordens de retirada da população.

Leia mais...

16 01 2019 mundo theresa mayApós sofrer uma imensa derrota na votação de sua proposta de acordo para o Brexit, a primeira-ministra britânica, Theresa May, enfrenta nesta quarta-feira (16) uma nova votação decisiva. O Parlamento irá avaliar uma moção de desconfiança contra seu governo, que pode resultar na perda de seu cargo.

A moção foi proposta pelo líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, imediatamente após a votação do Brexit, na terça. A justificativa apresentada foi que, em dois anos de governo, May não conseguiu elaborar uma proposta boa o suficiente para ser aprovada pela maioria no Parlamento.

Leia mais...

15 01 2019 mundo nobel racistaO cientista americano James Watson, ganhador do prêmio Nobel de 1962, perdeu seus títulos honorários depois de fazer comentários racistas sobre raça e inteligência.

Em um documentário de televisão que foi ao ar em 2 de janeiro, o pesquisador, pioneiro na pesquisa do DNA, repetiu opiniões segundo a qual a genética tem um papel nas notas que brancos e negros têm em testes de inteligência e de coeficiente intelectual.

Leia mais...

15 01 2019 mundo filho vitima battistiAlberto Torregiani, filho de uma vítima de um dos crimes pelos quais Cesare Battisti foi condenado à prisão na Itália, comemorou a detenção do italiano na Bolívia e sua extradição.

Battisti, que passou cerca de 40 anos foragido, 14 deles no Brasil, foi detido no sábado em Santa Cruz de la Sierra e nesta segunda-feira (14) foi levado a um presídio na Sardenha para cumprir pena de prisão perpétua por quatro homicídios.

Leia mais...

15 01 2019 mundo brexitO Parlamento britânico deve votar nesta terça-feira (15) a proposta de acordo do Brexit apresentada pela primeira-ministra Theresa May, e já aprovada pela União Europeia. Inicialmente a votação deveria ter sido realizada em 11 de dezembro, mas, prevendo uma derrota, May a adiou para janeiro.

Ainda assim, o governo deve perder. Mesmo o Partido Conservador já deixou claro que não concorda com os termos propostos e não há chances de obter os votos necessários para a aprovação. A grande dúvida agora é sobre o que acontecerá em seguida.

Leia mais...

03 01 2019 boko haramAo menos 200 integrantes do grupo extremista Boko Haram foram mortos em operações terrestres e aéreas do Exército do Níger na bacia do lago Chad, no sudeste do país, de acordo com um comunicado do ministério da Defesa.

"As ações combinadas das tropas terrestres e da aviação deram o seguinte resultado em 2 de janeiro de 2019: do lado inimigo, mais de 200 terroristas foram neutralizados após os ataques aéreos e 87 neutralizados pelas tropas terrestres", diz o comunicado, lido na emissora estatal do país na África ocidental.

Leia mais...

03 01 2019 russia predioO número de mortos no desabamento de um prédio residencial em Magnitogorsk, no leste da Rússia, subiu para 37, segundo em balanço divulgado nesta quinta-feira (3). Seis sobreviventes foram encontrados sob os escombros.

Entre os mortos, estão seis crianças, informou o Ministério russo de Situações de Emergência.

Leia mais...

03 01 2019 lado oculto luaA sonda espacial chinesa Chang'e 4 pousou, nesta quinta-feira (3), no lado oculto da Lua — a parte do satélite que não é visível da Terra. Segundo a Administração Nacional Espacial da China, é a primeira vez na história que este pouso é realizado. As informações são das agências de notícias EFE, Associated Press, e da Rede Global de Televisão da China (CGTN, em inglês).

Leia mais...

27 12 2018 japao baleiasO secretário-geral do Gabinete do governo do Japão, Yoshihide Suga, informou nesta quarta-feira que o país vai se retirar da Comissão Internacional da Baleia - cuja sigla em inglês é IWC. Segundo ele, o Japão pretende retomar a caça comercial a partir de julho de 2019, seguindo os métodos da IWC para calcular as cotas para determinar o número de baleias capturadas.

Leia mais...

Duas pessoas que tinha27 12 2018 japao executam sido condenadas à pena de morte foram executadas nesta quinta-feira (27) no Japão, segundo informou a imprensa local. De acordo com a emissora pública "NHK" que cita fontes oficiais, as execuções aconteceram nesta manhã, mas não foram informadas as identidades dos réus nem os motivos pelos quais estavam presos.

Leia mais...

27 12 2018 indonesia 02As autoridades da Indonésia elevaram nesta quinta-feira (27) o alerta por erupção no vulcão Anak Krakatau (também conhecido como Anak Krakatoa), que há seis dias provocou um tsunami e causou 430 mortes, e recomendam evitar atividades entre 500 metros e um quilômetro do litoral, em previsão de outro maremoto.

Leia mais...

27 09 2020 regiao crz numero corona27 09 2020 regiao crz corona faixa etaria

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01