18 09 2019 mundo eua chinaFortalecer o comércio internacional é a primeira das cinco prioridades globais apontadas pela nova diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, em sua primeira entrevista coletiva na assembleia anual da instituição. 

A mudança deve começar pelo encerramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Ela citou nominalmente os dois países. Documentos oficiais do Fundo geralmente mencionam "tensões comerciais".

A perspectiva global é precária, afirma Georgieva na apresentação de sua agenda política imediata. O conjunto de riscos, acrescenta, está ligado em primeiro lugar a uma possível ampliação das tensões no comércio e a crescentes vulnerabilidades financeiras. Há também o risco, segundo sua análise, de contaminação do câmbio e das condições monetárias por aquelas tensões. Isso agravaria a desaceleração econômica já observada na maior parte do mundo.

É preciso, segundo Georgieva, fazer do comércio um motor do crescimento econômico e da geração de empregos. Para isso, será necessário valorizar o sistema internacional e promover a paz no mercado global, acrescentou. Uma escalada na guerra de tarifas poderá custar 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, havia indicado dois dias antes a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath.

Política monetária

Usar com sabedoria a política monetária é a segunda recomendação. Isso inclui manter crédito fácil e juros baixos, levando em conta, ao mesmo tempo, riscos associados ao dinheiro muito barato. Mantida por muitos anos, a política frouxa dos grandes bancos centrais estimulou a economia, mas favoreceu operações arriscadas e incentivou o endividamento. Maior vulnerabilidade a choques financeiros é uma das consequências, como já apontaram estudos do FMI.

Mover a economia por meio de incentivos fiscais, onde houver espaço para isso, é a terceira prioridade.

A quarta é avançar em reformas estruturais, para tornar as economias mais seguras, mais produtivas e com maior potencial de crescimento. Será preciso dar atenção às mudanças tecnológicas e a seus efeitos no emprego e atenuar os custos sociais da transformação.

Fortalecer a cooperação internacional é a quinta recomendação, um tema repetido em todas as manifestações de economistas e dirigentes do Fundo Monetário Internacional nesta semana.

Cooperação e multilateralismo estão associados a todas as linhas de ação valorizadas no pronunciamento da diretora-gerente Kristalina Georgieva. O pano de fundo, o sistema multilateral sob ataque dos novos governos populistas e nacionalistas, foi mantido como um dado implícito. Esse pano de fundo inclui o abandono do Acordo de Paris sobre o clima e o risco de enfraquecimento da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Modernização

Para fortalecer o sistema comercial baseado em regras será preciso, segundo Georgieva, modernizá-lo com abertura maior nas áreas de serviços e de comércio eletrônico. Também será necessário dar maior atenção a normas para subsídios agrícolas e industriais, investimentos e transferência de tecnologia. Com sua experiência em cooperação monetária e cambial, o Fundo está preparado, segundo a diretora-gerente, para trabalhar com a OMC na promoção de um sistema comercial mais eficiente.

Mudança climática também aparece como um tema importante na agenda política da nova diretora. O trabalho já iniciado envolve, entre outros pontos, o assessoramento sobre formação de preços para o carbono e outros instrumentos destinados a facilitar a transição para uma economia mais verde. No folheto de dez páginas com a agenda política de Georgieva alguns tópicos especiais são destacados com fundo azul. A atenção às questões climáticas é um deles.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


30 10 2020 regiao crz numero corona30 10 2020 regiao crz corona faixa etaria

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01