17 01 2019 mundo theresa mayEm um momento crucial para o Brexit, o Parlamento britânico votou nesta quarta-feira, 16 pela continuidade da conservadora Theresa May à frente do governo. A derrubada da moção de censura a May, apresentada pelo líder oposicionista Jeremy Corbyn, por 325 votos contra 306 votos traz a perspectiva de um novo acordo sobre o Brexit ser apresentado nos próximos dias.

A moção de censura foi pedido na terça-feira, logo depois do fracasso de May em obter a aprovação do Parlamento ao acordo que firmada com a União Europeia sobre o Brexit. Ela deverá, agora, apresentar até a próxima sexta-feira um novo acordo à Câmara dos Comuns, cujos termos poderão ser emendados pelos legisladores.

O Brexit, aprovado por um referendo em 2016, deverá se efetivar em 29 de março. Sem um acordo com os europeus aprovado pelo Parlamento britânico, a saída do Reino Unido se dará da maneira mais abrupta possível, sem flexibilidade nem mesmo sobre a delicada questão da fronteira entre a Irlanda e a britânica Irlanda do Norte.

Com a moção, Corbyn pretendia provocar a convocação de eleições gerais antecipadas para tentar se tornar o novo primeiro-ministro.

Antes da votação, May elevou o tom de suas críticas ao líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, o autor do pedido de voto de censura. Ela o chamou de “traidor” em relação a “tudo o que” o seu próprio partido defendeu historicamente. Afirmou que, caso se torne o governante britânico, Corbyn trará “calamidade” ao país.

“Este é o líder do partido de Attlee – ex-primeiro-ministro britânico, de 1945 a 1951 -, que pediu o desmantelamento da Otan. É o líder do partido de Bevan – ministro do governo de Attlee ,- que diz que o Reino Unido deveria se desarmar unilateralmente e cruzar os dedos para que outros sigam seu exemplo”, disse May.

“É o líder do partido que ajudou a chegar ao acordo de Belfast, que convidou os terroristas do IRA ao parlamento semanas depois de seus comparsas terem assassinado um membro desta casa”, acrescentou a premiê.

Por isso, a liderança de Corbyn foi “uma traição em relação a tudo o que o partido defendeu”, opinou May.

“Uma traição para a grande maioria de seus deputados e uma traição para milhões de eleitores trabalhistas decentes e patrióticos”, frisou a primeira-ministra conservadora.

Com essas declarações, May elevou o tom das réplicas para Corbyn no debate da moção de censura proposta por ele e que a Câmara dos Comuns votará hoje às 19h GMT (17h em Brasília).

O líder trabalhista decidiu iniciar esse processo para tentar liquidar o governo conservador, depois que ontem à noite May perdeu por ampla margem (230 votos) a votação em Westminster sobre o seu acordo do Brexit. (Com EFE)


13 04 2021 regiao crz vacinometro13 04 2021 regiao crz numero corona13 04 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01