31 05 2021 mundo biden pressiona chinaA investigação dos Estados Unidos sobre a origem do coronavírus e sobre a gestão da pandemia pela China surge como uma nova ferramenta para o presidente americano, Joe Biden, aumentar a criar pressão global sobre o governo chinês, maior rival geopolítico dos americanos.

O democrata levantou dúvidas sobre o surgimento do vírus a cerca de 15 dias do encontro do G-7, no qual a ambição da Casa Branca é conseguir uma declaração unificada dos aliados sobre a China, com questionamento sobre práticas econômicas, militares e de direitos humanos do país.

As informações da inteligência americana até o momento, segundo o governo, não indicam qual das teorias é a mais plausível: a da transmissão natural do vírus de um animal para humano ou a de uma fuga acidental no laboratório de Wuhan. O novo relatório de inteligência requisitado por Biden não estará pronto antes do G-7. Mas, com o anúncio, o americano acalma os ânimos internamente e coloca um novo holofote internacional sobre Pequim.

"O tratamento do vírus pela China no início deve ser um tópico de conversa entre os líderes do G-7. E eu não ficaria surpreso se eles fizessem alguma referência em seu comunicado à necessidade de um estudo mais aprofundado sobre o assunto", afirma Matthew Goodman, vice-presidente do Center for Strategic and International Studies (CSIS), um dos principais centros de estudo em assuntos internacionais de Washington.

O grupo, formado por Alemanha, EUA, Canadá, França, Itália, Japão e Reino Unido, nunca convidou a China, segunda maior economia do mundo, para fazer parte do fórum. No entanto, a reunião marcada para começar no dia 11 deve ter a potência asiática como pano de fundo das principais discussões.

O objetivo americano é obter uma declaração clara de condenação internacional à repressão de uigures e outras minorias étnicas muçulmanas na região de Xinjiang. Mas os EUA também trabalham para que o texto tenha condenações a práticas comerciais dos chineses, além de menções à situação de Taiwan e à disputa no Mar do Sul da China, por exemplo.

Desde que assumiu a Casa Branca, Biden deixou claro que contaria com o apoio de aliados ao lidar com a China - uma diferença do antecessor, Donald Trump. Os únicos dois encontros presenciais com líderes estrangeiros realizados na Casa Branca desde a posse de Biden, em janeiro, foram com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e com o primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga.

Desde a posse, o Departamento de Estado vem trabalhando no estreitamento de uma aliança e presença americana na região. A guerra comercial saiu das manchetes, quando o tema é a briga entre as duas potências, mas não porque tenha deixado de existir. Biden não revogou tarifas impostas por Trump, mas é menos estridente ao tratar do assunto.

Apesar de a disputa econômica ser pano de fundo para as principais políticas do presidente - e motor para suas ambições de agenda sustentável e renovação da infraestrutura americana -, ele tem buscado a convergência com aliados nos pontos que acredita ser possível uma pressão conjunta.

Depois do primeiro encontro da representante comercial dos EUA, Katherine Tai, com sua contraparte chinesa, a americana afirmou que os dois países têm "desafios muito grandes". A temperatura foi mais quente na primeira reunião entre diplomatas dos dois países, em março, quando os americanos colocaram na mesa questões como o tratamento aos muçulmanos e a liberdade em Hong Kong. Na época, a gestão da pandemia ficou de fora da conversa.

"Biden está tentando trabalhar com aliados para desenvolver uma estratégia comum. Ele fortaleceu a cooperação militar e se alinhou com a Europa em questões como direitos humanos", afirma David Dollar, que foi emissário do Tesouro americano na China entre 2009 e 2013, e é integrante do centro de estudos John L. Thornton China Center, no Brookings Institute. "Mas os EUA não têm uma política coerente sobre como trabalhar economicamente com a China, e todos os aliados dos americanos estão determinados a fortalecer suas relações econômicas com os chineses", diz Dollar.

Ele acredita que a principal motivação de Biden para determinar um relatório de inteligência sobre as origens do vírus seja interna, diante da pressão doméstica - de republicanos e de democratas -, depois da revelação de que três pesquisadores do laboratório de virologia de Wuhan ficaram seriamente doentes ainda em novembro de 2019, a ponto de precisarem de internação hospitalar.

O diretor do Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan nega a informação e o governo chinês acusa os americanos de politização da pandemia. A Embaixada da China em Washington classificou como "conspiração" a hipótese de que o vírus tenha surgido após um vazamento no laboratório de Wuhan.

A informação sobre a hospitalização de funcionários do laboratório na província chinesa foi passada aos EUA por uma nação aliada, segundo o jornal The New York Times. Na visão da Casa Branca, chamar a atenção da comunidade internacional para o assunto pode dar melhores resultados para as próprias investigações com maior pressão sobre a Organização Mundial da Saúde e a junção de informações obtidas por aliados por meio de informantes.

Mary Gallagher, diretora do Instituto Internacional na Universidade de Michigan e professora do Centro para Estudos Chineses, da mesma instituição, também afirma que o anúncio de Biden foi estimulado pela necessidade de dar uma resposta doméstica à preocupação crescente com a teoria de que a pandemia foi consequência de um vazamento no laboratório de Wuhan.

Ela pondera, no entanto, que a questão deve ajudá-lo no campo internacional, especialmente se Pequim não cooperar. "Tenho certeza de que o governo Biden tem pouca expectativa de que a China permitirá que tal investigação prossiga. Isso deve jogar a opinião pública internacional ainda mais contra a China", afirma Gallagher.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo


 

20 06 2021 regiao crz numero corona20 06 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01