21 03 2019 mundo nova zelandiaA primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta quinta-feira (21) a proibição da venda de armas semiautomáticas de estilo militar e de fuzis de assalto no país. A premiê já havia adiantado que apresentaria uma legislação mais dura após o atentado cometido na semana passada contra duas mesquitas em Christchurch, em que 50 pessoas morreram.

Além disso, o governo neozelandês vai proibir equipamentos que permitam a conversão de outros tipos de armamentos a armas semiautomáticas militares. De acordo com a primeira-ministra, a lei deve entrar em vigor em 11 de abril.

O governo também espera instituir um esquema de devolução das armas do tipo já compradas. A ideia é evitar uma avalanche de compras dos produtos proibidos.

Isso porque, segundo a imprensa neozelandesa, a loja que vendeu o armamento aos assassinos vendeu todos os outros equipamentos do mesmo tipo dos usados no ataque de sexta-feira. Por outro lado, alguns neozelandeses se adiantaram e começaram a entregar as armas que tinham.

Segundo declaração da primeira-ministra, o comércio de alguns tipos de fuzis continua permitido tendo em vista o uso por fazendeiros caçadores do interior do país.

Sites bloqueados

Empresas que fornecem serviço de internet na Austrália e na Nova Zelândia bloquearam acesso a endereços da web que estavam compartilhando imagens do massacre em Christchurch.

O terrorista autor do atentado transmitiu as imagens do ataque ao vivo no Facebook. Enquanto as redes sociais, como YouTube e Facebook, estavam lutando para conter a disseminação do conteúdo, sites de vídeo, como LiveLeak, e fóruns, como 4chan e 8chan, continuavam a permitir os vídeos — segundo usuários da internet na Austrália postaram em redes sociais, estes estavam entre os endereços bloqueados.


13 05 2021 regiao crz vacinometro13 05 2021 regiao crz corona faixa etaria

13 05 2021 regiao crz numero corona

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01