06 05 2021 geral descoberta remedio covidUma importante descoberta de pesquisadores do Canadá pode nos colocar a poucos passos de um medicamento contra a covid-19.

Pesquisadores da Universidade British Columbia descobriram que a proteína lectina pode se ligar à proteína Spike no vírus SARS-CoV-2 e impedi-lo de acessar as células humanas saudáveis.

A Spike é responsável por acoplar o vírus no organismo humano. Ela se envolve em glicanos (grupo de açúcares) para se esconder do sistema imunológico da pessoa enquanto se prendem às células da corrente sanguínea e aos órgãos principais.

O estudo, que teve apoio da Universidade de Linz e da Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida (Boku), ambas na Áustria, foi publicado na plataforma da Universidade de Yale bioRxiv, e ainda precisa ser revisado por outros cientistas.

Os pesquisadores desenvolveram em laboratório uma grande diversidade de lectinas e encontraram duas que são capazes de se ligarem aos glicanos (grupos de açúcar) da proteína S.

Descoberta viabiliza medicamentos

De acordo com o pesquisador Josef Penninger, da British Columbia e diretor do Instituto de Ciências da Vida em Vancouver, a partir dessa descoberta pode ser possível a fabricação de um medicamento para tratar a covid-19.

"Nossa ideia é aproveitar essa propriedade para desenvolver um medicamento para combater a covid-19. As lectinas ocupariam locais nevrálgicos diretamente na proteína S e, assim, interromperiam a ligação do patógeno às células. Já que a porta estaria bloqueada, porque a chave está entupida de lectinas", disse o cientista ao site da universidade canadense.

Os pesquisadores estão mais confiantes, porque o medicamento pode ser eficaz também contra as variantes do SARS-CoV-2.

Um dos autores do manuscrito, Stefan Mereiter, da universidade de Viena, explica: "Agora temos ferramentas à disposição que podem ligar a camada protetora do vírus e, assim, bloquear a entrada do vírus nas células. Além disso, esses locais de glicano são altamente conservados entre todas as variantes circulantes do vírus, então este pode ser calcanhar de Aquiles do SARS-CoV-2”, comemorou o cientista.

A mobilidade capturada por este método surpreendeu os pesquisadores, porque a proteína S nas análises tridimensionais sempre aparece relativamente fechada em fotografias de microscopia estática.

“Vimos que ele realmente se abre nas superfícies e que os três braços são dinâmicos. As lectinas, por outro lado, conseguiram se prender à estrutura por muito tempo em escala biológica”, afirmou o cientista Peter Hinterdorfer, do Instituto de Biofísica da Universidade de Linz e um dos autores do estudo.

Os tempos de ligação de até de um segundo são, na verdade, uma longa vida útil para uma conexão molecular.

Com informações do Portal R7


 

20 06 2021 regiao crz numero corona20 06 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01