18 03 2021 geral poemas maria luiza machadoA partir de um olhar pungente e detalhista, “Tantas que aqui passaram”, terceiro livro da escritora, poeta e editora baiana Maria Luiza Machado, conta, em forma de poemas narrativos, fragmentos e cenas que fazem parte da história de diferentes mulheres em algum momento presentes na vida da autora.

Publicada pela sua editora, a Mormaço Editorial, a obra conta com parcerias de renome: a edição é da escritora, cordelista e poeta Jarid Arraes e o projeto gráfico é assinado pela poeta e ilustradora Isabela Sancho. Com 70 páginas, o novo livro pode ser adquirido pelo site da editora.

“Tantas que aqui passaram” foi concebido por meio de uma campanha de financiamento coletivo, via Catarse — a obra acabou sendo, também, uma das selecionadas pela Editora Urutau para publicação, em meio a mais de cem originais avaliados. Composto por 29 poemas, cada um deles revela a história de uma mulher.

“Toda mulher tem uma história que merece ser contada, nem que seja uma cena, um pequeno fragmento”, frisa a poeta, evidenciando a pluralidade e singularidade de cada cena versada. “Ao mesmo tempo que revela a história de uma única mulher, muitas outras podem se identificar com o mesmo poema. Alguns temas podem parecer, em um primeiro olhar, banais, mas se houver um bom disparo para a escrita, são capazes de se transformar em poesia.”

Influenciada por poesia contemporânea feita por mulheres, Maria Luiza dá continuidade, em sua nova obra, à escrita da poesia com personagens, aspecto já evidenciado em seu livro anterior, “Todos os nós” (Editora Penalux, 2019). O intuito é se desprender do “eu”, de suas próprias sensações, e embarcar em experiências de outras pessoas — em como elas são ou como poderiam ser.

“Eu me sinto mais confortável escrevendo sobre pessoas que existem, pegando algum fragmento sobre suas vidas e transformando-os em narrativas curtas, em versos”, expõe a autora. Entre suas inspirações, estão nomes como a própria Jarid Arraes, Camila Assad, Maíra Vasconcellos, Aline Bei e José Luís Peixoto. “Foi quando comecei a ler o que está sendo escrito hoje que consegui me encontrar como escritora, me intitular escritora e, sobretudo, poeta.”

A terceira obra revela a maturidade e uma maior familiaridade com a poesia. “Por muito tempo misturei verso e prosa no mesmo texto — algo que ainda faço, porém com menos frequência. Mas foi experimentando cada vez mais os versos que fui ganhando mais confiança”, comenta.

De acordo com Monique Malcher, escritora e antropóloga paraense, que assina o posfácio do livro, Maria Luiza cria imagens do que é particular para nos falar do que é gigante, tais como a sobrecarga de uma mãe, o desejo ou não-desejo de maternidade — nunca questionado, a solidão escolar, o não estar bem e dizer que sim, está tudo bem.

“Ler Maria Luiza Machado me fez perceber que a solidão é construída e também coletiva, que estamos — e ao mesmo tempo não somos — sozinhas. [...] Quando lemos os poemas com nomes tantos, de mulheres que em algum momento conhecemos ou vamos conhecer, também assistimos episódios e sentimentos de nossa própria vida”, escreve Monique.

Cena independente nordestina

Nascida em Feira de Santana, no interior da Bahia, em 1995, Maria Luiza Machado mudou-se para Salvador, em 2014, onde vive há seis anos. Precoce, começou a escrever por volta dos nove anos, ainda na escola, e logo já foi vitoriosa em seu primeiro concurso de poemas. Voltou a escrever com afinco anos depois, já no final da adolescência.

Publicou seu primeiro livro em 2018, intitulado “Algumas histórias sobre a falta”, de forma independente. Após tiragem esgotada, o livro foi relançado em setembro do mesmo ano pela editora baiana Mondrongo. Em 2019, publicou em formato digital a antologia “Corpo que Queima”, que reuniu 41 poetas baianas de todo o estado. Idealizou, realizou a curadoria e organizou o livro, publicado primeiramente pela Appaloosa Books, e hoje disponível gratuitamente na internet. Seu segundo livro, “Todos os Nós”, foi publicado pela Editora Penalux, no final do mesmo ano.

Em 2020, Maria Luiza lançou a Editora Mormaço, por onde publica seu terceiro livro, o “Tantas que aqui passaram”, viabilizado via financiamento coletivo. A editora tem como proposta valorizar a pluralidade e dar visibilidade a autores independentes e estreantes no cenário editorial.


12 04 2021 regiao crz numero corona12 04 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01