16 10 2020 esportes fla empata bragaFaltou perna, faltou criatividade, faltou gol. O Flamengo desperdiçou a chance de assumir a liderança do Brasileirão e apenas empatou com o vice-lanterna Bragantino na quinta-feira (15/10), no Maracanã, pela 16ª rodada.

Apenas 48 horas depois de vencer o Goiás, Dome poupou peças, tentou dar fôlego, mas o time sentiu o desgaste e tropeçou diante de um adversário bem arrumado. Claudinho abriu o placar com um golaço e Lincoln empatou de cabeça.

Na tabela

O Flamengo perdeu a oportunidade de assumir a ponta isolada na tabela e chegou aos mesmos 31 pontos de Atlético-MG e Internacional. Nos critérios de desempate, porém, a equipe de Dome está em terceiro: o Galo, mesmo com um jogo a menos, tem uma vitória a mais (10 a 9), enquanto o Colorado leva a melhor no saldo de gols (13 a 7). Domingo, o compromisso é contra o Corinthians, às 16h (de Brasília), na Neoquímica Arena, pela 17ª rodada. Já o Bragantino foi aos 13 pontos, mas segue na vice-lanterna. Também domingo, às 20h30, recebe o Sport, no Nabi Abi Chedid.

Primeiro tempo

A estratégia era até óbvia, e o Bragantino a executou bem: diante de um adversário que voltava a jogar depois de 48 horas, seria inteligente acelerar o jogo e apostar no cansaço do Flamengo. E foi assim que os visitantes levaram mais perigo ao gol de Hugo nos 45 minutos iniciais. Com marcação alta e boas jogadas de lado do campo, especialmente com Claudinho, o time paulista não teve posse de bola, mas teve espaço para ser perigoso. Já o Flamengo, sem a velocidade de Bruno Henrique pelos lados, centralizava a jogada e não conseguia transformar o domínio territorial em boas jogadas. Mais um primeiro tempo ruim.

Segundo tempo

O Bragantino repetiu a correria no início do segundo tempo e abriu o placar no primeiro minuto. Claudinho tabelou com Ytalo, aproveitou os espaços deixados por Thuler e Léo Pereira e marcou um golaço. Foi a senha para o jogo se tornar ataque contra defesa. O Flamengo se mandou para o ataque, mas faltava perna e criatividade. O abuso das jogadas aéreas facilitava as ações da defesa. Até que Lincoln aproveitou vacilo de Cleiton.

A virada de bola de Renê para Isla abriu a defesa paulista, o chileno cruzou, o goleiro deu rebote e Lincoln empatou. A esta altura, Bruno Henrique já estava em campo e o Flamengo tentava usar mais os lados do campo para pressionar. Não deu muito certo. A equipe até teve domínio territorial, usou o também poupado Gérson no final, mas não conseguiu repetir o roteiro da partida contra o Goiás no final.

Faltou perna

Com dois jogos em 48 horas, Domènec Torrent tentou ajustar a escalação do Flamengo e deixou Gérson e Bruno Henrique no banco. Ainda assim, foi visível o desgaste da equipe no decorrer dos 90 minutos. Everton Ribeiro e Isla, que jogaram por Brasil e Chile nas eliminatórias, não tiveram a mesma intensidade, e Pedro foi substituído no intervalo. O calendário apertado acabou fazendo a diferença na busca pela liderança.

Filme repetido

O tropeço do Flamengo no Maracanã apresentou um filme repetido das últimas quatro partidas. Contra Athletico-PR, Sport, Vasco e Goiás, o time não foi bem no primeiro tempo, mas conseguiu correr atrás do resultado na etapa final. Dessa vez, com o desgaste e um Bragantino bem arrumado pela frente, não deu certo e ficou a frustração da chance desperdiçada de alcançar a liderança.

Golaço e grande atuação

Claudinho foi um dos melhores jogadores em campo. Craque da Série B de 2019, o atacante foi de longe o mais perigoso da partida, abusando da velocidade e sempre muito objetivo. Foi recompensado com um golaço no início do segundo tempo.


20 10 2020 regiao crz numero corona20 10 2020 regiao crz corona faixa etaria

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01