07 0 2019 regiao sjc fraudes inssA PF (Polícia Federal) deflagrou a operação 'Double Life', voltada ao combate a crimes previdenciários cometidos na agência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em São José dos Campos. Foram presas três pessoas ligadas diretamente às fraudes investigadas, incluindo um servidor público.

A PF cumpriu oito mandados de busca e apreensão nas cidades de São José, Caraguatatuba e Rio de Janeiro.

Segundo informações da polícia, a investigação começou em junho, após a notícia de que um idoso havia sido preso tentando sacar valores de aposentadoria em São José utilizando documento de identificação pessoal falso.

O objetivo inicial, de acordo com a polícia, era identificar outras pessoas envolvidas naquele crime, mas a investigação encontrou o esquema organizado para fraudar benefícios previdenciários de outras espécies,como aposentadorias, auxílio doença, salário maternidade, praticadas com auxílio direto de um servidor público da agência do INSS.

"Foram realizadas novas investigações e chegamos a uma organização criminosa responsável pela prática de crimes contra o INSS, eles criavam benefícios fraudulentos, em nome de diversas outras pessoas e depois efetuavam os saques mensalmente dos valores depositados pelo INSS", afirmou o delegado da PF André Ricardo Carneiro.

Fraudes

Segundo a PF, o esquema criminoso era dividido em quatro fases. A primeira é a cooptação de pessoas; na segunda, o servidor público lotado na agência realizava a inclusão das informações no sistema e criava os benefícios previdenciários falsos em nome das pessoas cooptadas; na terceira fase o servidor gerava direito a valores atrasados de benefícios, resultando em grandes quantias a serem sacadas pelos beneficiários cooptados; na última fase a quadrilha utilizava pessoas para realizarem a retirada do cartão magnético e, posteriormente, efetuava o saque dos valores indevidos.

Suspeitos

Foram identificados 27 suspeitos, que serão ouvidos e poderão responder por crimes de organização criminosa, estelionato previdenciário e inserção de dados falsos em sistema de informações, com penas máximas que, se somadas, podem ultrapassar 25 anos de prisão.

A operação 'Double Life' contou com a participação de 28 agentes federais, além de dois servidores da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, e contou também com o apoio do Ministério Público Federal de São José.


28 02 2021 regiao crz numero corona28 02 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01