29 12 2020 regiao cj empresario prejuizoEmpresários de Campos do Jordão reclamam de prejuízos com a fase vermelha no Natal, imposta por determinação do governo estadual, e cobram que a prefeitura flexibilize a abertura dos serviços não essenciais para o réveillon.

De acordo com os donos de bares e restaurantes, a cidade vem acumulando prejuízos com as restrições desde março.

Campos do Jordão foi uma das cidades que decidiu manter a determinação do governador João Dória (PSDB), que regrediu para a fase vermelha o estado entre os dias 25, 26 e 27 de dezembro e 01, 02 e 03 de janeiro de 2021. Com a decisão, apenas comércios essenciais poderiam funcionar. Restaurantes e bares poderiam manter apenas o delivery.

De acordo com o setor de turismo da cidade, os comerciantes acumulam prejuízos após restrições de funcionamento no inverno e cancelamento do festival de inverno, principal evento da cidade. A expectativa era de que o faturamento tivesse alguma recuperação com as festas de fim de ano.

Segundo o Sinhores, a taxa de ocupação era de 80% até o dia 22 de dezembro e, com a adesão as restrições, caiu para 30%.

“Os empresários contrataram mão de obra, planejaram estoque, investiram em atrativo para receber as pessoas. O setor já vinha perdendo e, agora, saiu no prejuízo de novo”, comentou Paulo Costa, presidente da entidade.

Ele conta que entre os dias 25 e 26 de dezembro alguns turistas decidiram permanecer na cidade. Com a restrição, os restaurantes serviram as refeições para a viagem e o calçadão do Capivari ficou cheio de turistas aglomerados, se alimentando no chão.

“Se é para pensar nas pessoas, isso as coloca muito mais em risco. Estamos cumprindo com todos os cuidados exigidos pela vigilância para não disseminar o vírus”, diz Costa.

Os empresários querem que a prefeitura dê a permissão de abertura até às 22h e, em contrapartida, seja mantida a barreira sanitária na entrada da cidade. De acordo com a gestão, há um pedido de reunião com o prefeito para discutir a pauta. Apesar disso, a gestão não confirmou se vai receber as reivindicações.

A prefeitura contesta a perda estimada pelo setor hoteleiro. Segundo a administração, a queda na arrecadação do ISSQN, em que incide o imposto de hotéis e pousadas, foi em torno de 25% até novembro. Até o último mês foram arrecadados R$ 12 milhões contra os R$ 16,2 do mesmo período de 2019.

Em nota, disse que "respeita o plano São Paulo e continuará seguindo a determinação da ciência para salvar vidas. O cumprimento das regras será fiscalizado".

Perdas

Na cidade, o setor estima perda de R$ 300 milhões com a redução do turismo por causa da pandemia. O auge da temporada na cidade é o inverno, época em que os comércios tinham rígidas restrições com a alta de casos e muitos espaços de lazer ainda não estavam funcionando.

Um dos principais atrativos de Campos do Jordão é o festival de inverno, que reúne dezenas de apresentações ao ar livre e espaços de cultura. Este ano, por causa do risco com as aglomerações, o governo havia adiado o evento para janeiro de 2021, como um atrativo fora de época na cidade, para estimular o turismo. Apesar disso, no início de dezembro anunciou o cancelamento, mantendo apenas a edição de 2021, em junho.

Segundo o Sindicato de Hotéis e Pousadas (Sinhores), nenhum estabelecimento ultrapassou ganho de 10% do valor da temporada do último ano.


28 02 2021 regiao crz numero corona28 02 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01