01 04 2021 brasil ministro saude aglomeracoesO ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pediu na quarta-feira, 31/03, que a população evite aglomerações durante o feriado da Semana Santa.

"Não há o que se comemorar; nossa sociedade está tão fragilizada", disse o cardiologista em audiência na Câmara dos Deputados.

Queiroga também defendeu o uso de máscaras. Ele afirmou que o Ministério da Saúde deve orientar Estados e municípios para alinhar as ações contra a covid-19 e evitar a adoção de "medidas extremas", como um lockdown. "Até porque a população não adere", disse o médico.

A fala do ministro destoa das manifestações do presidente Jair Bolsonaro. O chefe do Planalto nega benefícios do distanciamento social e já promoveu diversas aglomerações durante a crise sanitária, muitas vezes sem usar máscaras.

"Não é ficando em casa que nós vamos solucionar esse problema", disse o presidente mais cedo, em declaração à imprensa. "Essa política ainda está sendo adotada, mas o espírito dela era buscar achatar a curva de contaminação enquanto os hospitais se preparavam, com leitos de UTI e respiradores, para que pessoas não perdessem a vida por falta de atendimento", completou Bolsonaro.

Já Queiroga disse aos deputados que as medidas sanitárias, como o distanciamento social, servem para "baixar a curva" de contaminações. Em boletim extraordinário do Observatório covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgado no dia 23/03, pesquisadores falam em "crise humanitária" e pedem adoção imediata de lockdown por pelo menos 14 dias. Segundo a instituição, essa seria a forma de reduzir o ritmo de transmissão da doença e aliviar a pressão nos hospitais.

Segundo Queiroga, o ministério irá editar regras sobre o funcionamento do transporte público na pandemia.

O ministro disse que a pasta tem se esforçado para antecipar a chegada das vacinas contra a covid-19 ao País. Ele disse que não pode abrir negociações em andamento, "sob pena de perder essas oportunidades", mas citou conversas com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e o governo dos Estados Unidos.

O ministro voltou a afirmar que há previsão de cerca de 560 milhões de doses entregues até o fim do ano, mas reconheceu que diversos modelos ainda não estão disponíveis. Ele disse que a pasta ainda irá avaliar se mantém no seu cronograma a Covaxin após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negar a certificação à fabricante indiana Bharat Biotech.

Queiroga afirmou que "pessoalmente" considera que o SUS deve ser o condutor da política de vacinação, mas afirmou que tem de "acolher" a possibilidade de flexibilizar regras para compras ao setor privado. Há forte lobby para que seja derrubada a exigência de que 100% das doses compradas por empresas sejam doadas ao SUS enquanto são imunizados os grupos prioritários. "Se essa medida trouxer mais vacinas e nos ajudar a levar vacinas aos brasileiros, será bem-vinda", disse.

Queiroga afirmou que uma nova lei sobre a vacina no setor privado deve ser aprovada. Ele mostrou desconfiança sobre a entrega das doses ao setor privado. "Quero ver para crer", afirmou.


13 04 2021 regiao crz vacinometro13 04 2021 regiao crz numero corona13 04 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01