covid 01O Brasil registrou 12.489 novos casos e 138 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas. Até agora, foram notificadas 5.860.590 ocorrências da pandemia, além de 165.811 óbitos, segundo o consórcio de veículos de imprensa.

O governo de Minas Gerais não divulgou seus dados esta noite.

Já a média móvel de mortes, também verificada pelo boletim, foi de 491. Trata-se do maior índice desde 22 de outubro, quando a marca foi de 493.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Treze estados e o Distrito Federal observaram uma tendência de aumento na média móvel de óbitos: Acre, Amapá, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina São Paulo e Tocantins.

O índice teve tendência de estabilidade em oito estados: Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí e Rio de Janeiro.

A tendência de queda na média móvel de óbitos foi constatada em cinco unidades da federação: Alagoas, Amazonas, Ceará, Maranhão e Sergipe.

Durante toda a semana, a divulgação dos dados dos estados foi prejudicada devido a indícios de um ataque hacker ao sistema do Ministério da Saúde. Assim, algumas unidades da federação, como o Rio e São Paulo, passaram dias sem publicar o número de mortes, por exemplo. A falta de informações durante os últimos dias afetou diretamente o cálculo da média móvel e as indicações se ela seguia tendência de alta, queda ou estabilidade.

Diante de evidências de que a tendência de queda nos números da Covid-19 no Brasil se reverteu, especialistas temem que uma segunda onda de casos chegue num momento em que o país está mais vulnerável do que na primeira onda.

O que ocorre em escala nacional ainda é incerto, mas em alguns municípios, como São Paulo, um aumento no número de casos já é visível, sobretudo no número de internações por Covid-19, também no setor público. O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, acredita que a segunda onda é uma "conversinha" e que deve ser enfrentada para a economia "não quebrar de vez".


04 03 2021 regiao crz vacinometro04 03 2021 regiao crz numero corona04 03 2021 regiao crz corona faixa etaria

villa tita

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01