bn pref crz 24 09 2019    bn luiz octavio mega feirao nov 2019    an camara crz 03 10 2019

31 10 2019 geral bicudinho do brejoUm pequeno pássaro que só habita duas regiões do Estado de São Paulo e está criticamente ameaçado de extinção acaba de ganhar uma área protegida equivalente a 2,5 mil campos de futebol para tentar sobreviver à poluição e à caça predatória.

A prefeitura de Guararema (SP) criou o Refúgio de Vida Silvestre Bicudinho-do-Brejo-Paulista, primeira unidade de conservação de proteção total dedicada a uma ave no Estado.

O pássaro, criticamente ameaçado na natureza, segundo lista do Ministério do Meio Ambiente, só foi encontrado nas regiões de Guararema e de São José dos Campos, no Vale do Paraíba.

A criação da unidade, com 2.372 hectares, resulta de esforços da prefeitura e da Sociedade para Conservação de Aves do Brasil (Save Brasil), em parceria com organizações da sociedade civil, como o Instituto Suinã e a Guaranature.

Pássaro de apenas 15 cm, com bico alongado, o bicudinho-do-brejo-paulista foi descoberto em 2004, mas só entrou para a lista oficial de espécies brasileiras em 2015.

A pequena ave foi avistada próxima ao maior centro metropolitano da América do Sul, a capital paulista, com registros confirmados em Mogi das Cruzes, Biritiba-Mirim, Salesópolis, Guararema, São José dos Campos e, mais recentemente, Santa Branca.

Assim que foi reconhecido como nova espécie, o bicudinho já entrou para a lista de aves em alto risco de extinção. O problema é que o pássaro habita áreas muito vulneráveis, de brejos naturais que estão desaparecendo ou sendo poluídos.

Conforme Pedro Develey, diretor executivo da Save Brasil, a criação do refúgio de vida silvestre representa uma garantia de conservação em longo prazo do passarinho.

"O comprometimento da prefeitura de Guararema e os parceiros locais foi crucial para esse resultado e é um bom exemplo para ilustrar como diferentes setores da sociedade podem trabalhar juntos para promover a conservação da biodiversidade", disse.

A expectativa, segundo ele, é de que a área atraia o interesse de ornitólogos internacionais, devido à raridade do pássaro. Entre 2017 e 2018, com apoio da American Bird Conservancy e da Fundação Boticário, a Save Brasil realizou um levantamento sobre as ocorrências e um censo das populações do bicudinho-do-brejo-paulista.

A pesquisa, que envolveu também outras espécies da avifauna na região, forneceu insumos para a definição da área a ser protegida.

Conforme Ricardo Moscatelli, da Secretaria de Meio Ambiente e Planejamento Urbano de Guararema, a reserva abrange os limites da área com ocorrências do bicudinho e vai proteger também o sagui-da-serra-escuro, pequeno primata presente nesse perímetro e igualmente ameaçado de extinção.

"Serão protegidos também todos os elementos naturais da Bacia do Ribeirão do Putim, que está dentro do refúgio e é um tributário significativo do Rio Paraíba do Sul, um dos rios mais importantes do País", disse.

As pesquisas da Save Brasil indicaram a existência de 253 espécies de aves em Guararema e região, várias delas também ameaçadas, como a água-cinzenta e o pixoxó, que é uma das maiores vítimas do comércio ilegal de animais silvestres.

Em parceria com a prefeitura e as organizações civis, a Save Brasil desenvolve projeto para engajar a população nos esforços de preservação do bicudinho e das outras espécies. A criação da unidade teve o apoio da Fundação Florestal do Estado de São Paulo.


an pao quente 02

an byomed