25 10 2019 geral dia saude bocalManter uma rotina que inclua prática de esportes traz benefícios à saúde como um todo. Além do cuidado com o bem-estar e hábitos saudáveis de alimentação, é preciso cuidar também da higiene bucal diariamente, pois desconfortos como dor de dente, gengiva inflamada e cárie podem afetar o desempenho no treino e até causar lesões.

Segundo Dagmar de Paula Queluz, coordenadora do curso de especialização em odontologia do trabalho e desportiva, o rendimento de um atleta pode diminuir em até 21% por causa de problemas relacionados aos dentes.

Fábio Bibancos - ortodontista aponta como evitar que problemas bucais atrapalhem a performance de atletas amadores e profissionais.

Gengivas inflamadas e cárie

Esses problemas facilitam a entrada de bactérias no organismo através da corrente sanguínea, fazendo com que o próprio organismo atue mais no combate à essas bactérias do que na recuperação muscular pós-treino. Cárie e sangramento na gengiva ao escovar os dentes são problemas bucais comuns e podem ser prevenidas com uma higiene bucal adequada três vezes ao dia, sem esquecer do uso do fio dental ou palitos interdentais, para completar a limpeza das gengivas.

Erosão nos dentes

Quem ingere de forma excessiva sucos ácidos, bebidas gaseificadas e isotônicos está mais propenso a erosão dental, que por sua vez, propicia maior acúmulo de alimentos e dificuldade de higienização, ocasionando doenças bucais como cárie e gengivite, por exemplo. “Nesses casos, a higiene bucal é ainda mais importante, além do acompanhamento com dentista para evitar que o surgimento de cárie e erosões se tornem mais graves. Caso o problema esteja instalado, cabe ao dentista recomendar um tratamento para resolver esse problema”, pontua Bibancos.

Lesões e fraturas

Em esportes de contato como modalidades de lutas, a região do rosto está mais suscetível a fraturas, por isso é extremamente necessário o uso de protetores bucais feitos sob medida, prevenindo traumas. “Por isso não compre protetores bucais fabricados em série e vendidos em lojas desportivas. Para funcionar o protetor bucal precisa ser indicado pelo especialista, que fará um molde da boca para, com base nele, o laboratório criar um protetor totalmente personalizado, facilitando a adaptação e melhora a proteção”, afirma Dr. Fábio Bibancos.


an paulo bento

an luiz octavio