29 06 2019 geral cocar olhosO simples hábito de coçar os olhos com frequência pode ser prejudicial para a visão, porque agrava um distúrbio chamado de ceratocone, responsável pela deformação da córnea. A córnea deformada pelo ceratocone gera astigmatismo, cujo sintoma é a visão turva, fazendo com que o indivíduo tenha dificuldades para enxergar com nitidez até mesmo com óculos, em alguns casos.

O ceratocone é uma doença em que a córnea (uma espécie de vidro de relógio na frente do globo ocular, mas de consistência gelatinosa) é mais maleável do que o normal.

"Muitas pessoas têm ceratocone e não sabem", explica o médico oftalmologista Wallace Chamon, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

O Brasil não tem dados oficiais sobre a incidência de ceratocone na população.

Estudos já identificaram que há componentes genéticos responsáveis por essa deficiência na textura da córnea. A incidência é maior, por exemplo, em portadores de Síndrome de Down.

No entanto, o hábito de coçar os olhos em quem não sabe que tem ceratocone, especialmente crianças e adolescentes, pode agravar a doença, explica o médico.

"Como não tem como saber, melhor não coçar. Em uma pessoa normal, teria que ser uma força muito grande e constante, mas não é o caso de quem tem ceratocone", acrescenta.

Chamon ressalta que "99% dos pacientes diagnosticados com ceratocone coçam os olhos, mas nem todo mundo que coça os olhos tem ceratocone".

Por outro lado, o oftalmologista Rubens Belfort Neto, também da Unifesp, pondera que "acordar e dar uma coçadinha nos olhos não faz mal".

"Para alguns grupos de pacientes, coçar os olhos pode prejudicar a visão. Além de ter a predisposição, tem que avaliar a intensidade e a duração [do hábito de esfregar os olhos]."

Segundo Belfort Neto, a atenção é maior em pessoas que sofram constantemente com alergias nos olhos.

"Se a coceira é permanente, tem que investigar a causa, que provavelmente é alergia; secura e alergia caminham juntas", observa.

A córnea de uma pessoa endurece com a idade, normalmente depois dos 30 anos. Passada essa fase, é mais difícil que o ceratocone se agrave por coçar os olhos.

No entanto, o Chamon enfatiza a importância do diagnóstico precoce, porque a doença tem níveis de evolução.

"No primeiro nível, não precisa de óculos; no segundo, precisa de óculos para astigmatismo, mas resolve; no terceiro, mesmo com óculos não corrige, aí se usa uma lente de contato dura; o quarto nível seria aquele em que a lente não para no olho, casos em que precisa de uma cirurgia, que é um transplante de córnea ou um implante de anel plástico dentro da córnea."

Quando identificado cedo, a progressão do ceratocone pode ser contida por um procedimento cirúrgico em consultório, chamado de crosslink.

"Esse tratamento consiste em um raio ultravioleta que reage com a vitamina B2, e conseguimos deixar a córnea mais rígida."

O mais importante, segundo o médico Belfort Neto, é procurar atendimento especializado em caso de dúvida.

"Se quando comparar a visão de um olho com outro, perceber que não enxerga bem, precisa ir ao oftalmologista", recomenda.

Com informações do Portal R7. 


14 08 2020 regiao crz numero corona

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01