bn camara 05 2020

17 02 2020 esportes flamengo bate athletico prO Flamengo já começou o ano de 2020 ganhando mais um título. O rubro-negro carioca, atual campeão do Campeonato Brasileiro e da Libertadores na última temporada, conquistou, no domingo (16/02) o título inédito da Supercopa do Brasil, ao derrotar o Athletico-PR por 3 a 0 em Brasília, no estádio Mané Garrincha. 

Os grandes destaques da partida foram Bruno Henrique, Gabigol e Arrascaeta, autores dos gols no jogo desta manhã.

Nos próximos dias, o time ainda vai brigar por outros dois títulos. A final da Taça Guanabara acontece no próximo fim de semana, com o Flamengo na disputa. Além disso, a partir da próxima quarta-feira (19/02), o clube enfrenta o Independiente Del Valle, pela Recopa Sul-Americana.

No confronto histórico entre as duas equipes, o Flamengo aumenta sua pequena margem: agora são 28 vitórias do time carioca, 25 derrotas e 15 empates.

Depois do Athletico-PR, o Flamengo dá sequência a uma semana de decisões e finais. O time volta a campo na quarta-feira (19/02), para enfrentar o Independiente del Valle, em Quito, no Equador, às 22h30 (de Brasília), pela primeira partida da final da Recopa Sul-Americana, torneio que envolve o campeão da Libertadores e da Copa Sul-Americana da última temporada. O jogo da volta será dia 26/02, no Maracanã.

Antes da segunda partida decisiva da Recopa, o Flamengo disputa a final da Taça Guanabara em jogo único, sábado, 18h, também no Maracanã, contra Boavista ou Volta Redonda. A semifinal entre esses dois clubes será disputada neste domingo.

Já o Athletico-PR volta a campo no sábado, para encarar o Cascavel Recreativo, pela 8ª rodada do Campeonato Paranaense.

Antes do início da partida, a taça da Supercopa do Brasil foi levada ao centro do gramado pelo meio-campo Kleberson, campeão da Copa do Mundo de 2002 com a Seleção Brasileira no Japão, com passagem pelos dois clubes.

Com a bola rolando, o primeiro tempo começou com o Flamengo adotando a conhecida postura ofensiva, explorando as laterais do gramado, principalmente com Filipe Luís pela esquerda, e criando várias oportunidades de gols.

Com 20 minutos de final, o time de Jorge Jesus já havia finalizado cinco vezes contra o gol de Santos, incluindo o gol de Bruno Henrique, além de administrar uma posse de bola de quase 70%, não permitindo ao Athletico-PR atacar.

Logo aos 2 minutos, Arão obrigou Santos a praticar defesa difícil. Aos 14, o time rubro-negro abriu o placar. Gabriel cruzou da direita, Bruno Henrique apareceu entre os zagueiros e desviou de cabeça no canto direito de Santos.

Mesmo em vantagem, o Flamengo continuou no ataque e ampliou o placar aos 28, se aproveitando de uma falha da defesa paranaense. Após cruzamento de Filipe Luís pela esquerda, Márcio Azevedo tentou recuar de peito para o goleiro, o recuo saiu fraco, Gabriel saiu de trás de Thiago Heleno, se antecipou a Santos e tocou para as redes.

Nos minutos finais da etapa inicial, prejudicado pelo forte calor na capital federal e o horário da partida, a intensidade do Flamengo caiu, a marcação ofensiva já no campo de defesa do Athletico-PR diminuiu e o time paranaense começou a se aproximar do gol de Diego Alves.

A primeira chance do Athletico-PR surgiu apenas aos 35, quando Marquinhos Gabriel cobrou falta com perigo sobre o travessão. Aos 40, novamente Marquinhos finalizou contra o gol de Diego e, aos 42, foi a vez de Rony perder a chance de diminuir a desvantagem.

No segundo tempo o Flamengo voltou a dominar as ações e Santos impediu o terceiro gol aos 15, quando Bruno Henrique entrou livre da área e acabou desarmado pelo goleiro.

Superior em campo, mesmo sem a intensidade apresentada no primeiro tempo, o Flamengo chegou ao terceiro gol. Aos 23, Arão lançou Bruno Henrique pela esquerda, ele entrou na área, tentou o toque para Gabriel e, no rebote de Santos, Arrascaeta chutou para ampliar.

Já sob os gritos de "é campeão" e "Olê, Mister", o Athletico-PR assustou e acertou o travessão de Diego Alves aos 29.

Após a parada técnica para hidratação aos 30, o Flamengo diminuiu o ritmo, o que bastou para irritar Jorge Jesus na lateral do gramado, que pedia intensidade e velocidade aos jogadores em campo.

Nos minutos finais o Flamengo foi ao ataque em busca do quarto gol e deu espaços para o Athetico-PR, que desceu com perigo, mas não chegou a marcar o seu gol na final.


an pref 07 05 2020

impacto 94 completo Página 8

an luiz octavio