23 01 2019 regiao gmA General Motors (GM) negocia a redução do piso salarial, fim da estabilidade de emprego para lesionados e liberação da terceirização em todos os setores no plano de reestruturação da empresa no Brasil. A pauta de exigências foi apresentada aos trabalhadores nesta quarta-feira (23) em assembleia na fábrica de São José dos Campos (SP).

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, a pauta apresentada pela GM conta com 28 itens e marca o início das negociações. A entidade e empresa terão novas reuniões para fecharem uma proposta de acordo aos trabalhadores.

Entre os pedidos estão a redução do piso salarial de R$ 2,3 mil para R$ 1,6 mil. A empresa ainda quer tirar a estabilidade de emprego dos trabalhadores com lesão ocupacional ou acidente de trabalho – em São José dos Campos são 1,3 mil funcionários nesta situação.

A GM também quer a mudança no sistema de banco de horas, flexibilização da jornada de trabalho - com a implantação da categoria 12x36 - e abertura para terceirização para todos os setores.

De acordo com o vice-presidente do sindicato da categoria em São José dos Campos, Renato Almeida, as propostas trazem uma carga pesada para os trabalhadores, incluindo perda de direitos trabalhistas e estabilidade.

“Nós não sabemos qual a contrapartida dessas propostas, não sabemos o que vamos receber de investimento em produção ou aporte. O que queremos como sindicato é manter o direito do trabalhador e garantir a estabilidade de emprego. Queremos manter isso e saber claramente quais as intenções dela na planta antes de aceitar qualquer exigência”, informou.

De acordo com a entidade, a assembleia na planta de São José dos Campos para o primeiro turno foi apenas para apresentar as propostas e devem acontecer novas assembleias nos próximos turnos.

A empresa e a entidade devem se reunir novamente nesta quarta-feira (23) às 14h. A estimativa do sindicato é de que a decisão final sobre a reestruturação aconteça em 20 dias, quando uma proposta deve ser apresentada aos trabalhadores para votação.

A GM foi procurada, por meio da assessoria de imprensa, mas não quis comentar o assunto. Na terça, a empresa havia informado que não iria se manifestar sobre a reunião.

Reestruturação

A pauta foi entregue pela empresa depois do anúncio de que a montadora passa por um período crítico e que precisaria de uma reestruturação. No exterior, o plano de reestruturação da empresa propôs o encerramento das atividades em cinco plantas na América do Norte e demissão de mais de 14 mil trabalhadores.

Apesar do tom do anúncio da empresa no Brasil, o fechamento de fábricas foi descartado. No país, a presidência da GM afirmou que "não vai continuar empregando capital para perder dinheiro" e apresentou as medidas como contrapartida para investimentos.

As tratativas são para definir o futuro das plantas em São Caetano do Sul e São José dos Campos. Empresa e entidades das duas plantas se reuniram por cerca de seis horas para discutirem as propostas.

Em São José, na fábrica onde até 2013 eram produzidos quatro modelos, atualmente são produzidas apenas a picape S10 e o SUV Trailblazer. A fábrica do interior foi excluída dos recentes investimentos anunciados pela multinacional.


an paulo bento

an luiz octavio