26 03 2019 regiao empregosEm fevereiro, no mês em que o setor industrial perdeu fôlego, com saldo negativo entre admitidos e demitidos, a área de prestação de serviços garantiu o saldo positivo na balança de empregos nos principais setores de atividade econômica em Cruzeiro. Somando todos os segmentos, a cidade gerou apenas 23 novos postos de trabalho.

Os dados foram divulgados na segunda-feira (25) pelo CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), órgão do Ministério do Trabalho encarregado de apurar a geração de empregos nos principais municípios brasileiros.

Depois de assegurar saldos positivos em 2018 e no primeiro mês de 2019, o setor industrial amargou negativo em fevereiro. No período, foram contratados 77 funcionários e demitidos 83, perfazendo o negativo de 06.

No comércio houve empate. 93 admitidos contra 93 demitidos em fevereiro. A agropecuária teve negativo de um posto, com o registro de 4 admitidos e 5 cortados. Da mesma forma, a construção civil, com 7 a 6. A extração mineral contratou 4 e demitiu 3.

Quem salvou a cidade em fevereiro foi a prestação de serviços. No setor, foram contratados 134 e demitidos 106, com saldo de 28.

A queda no setor industrial foi motivada pela desaceleração nas contratações na Maxion, a maior indústria da região do Médio Vale. Depois de ter gerado cerca de 600 novos postos em 2018, a Maxion tirou o pé do acelerador do emprego em janeiro e pisou no freio em fevereiro.

GUARATINGUETÁ liderou a geração de empregos no Vale do Paraíba, com a abertura de 345 novas vagas. O avanço foi motivado pelas281 contratações feitas pela Prefeitura. PINDAMONHANGABA, a segunda colocada em fevereiro, gerou mais 215 novos postos. TAUBATÉ ficou em terceiro, com mais 172. JACAREÍ abriu 170 e São José dos Campos outros 93 postos. LORENA somou 15 em fevereiro.


an paulo bento

an luiz octavio