an cm crz 11 08 2020.jpg

20 03 2019 regiao taubate contratoO governo Ortiz Junior (PSDB) assinou no dia 26 de fevereiro um reajuste retroativo no contrato com o consórcio EcoTaubaté, responsável pela limpeza urbana. O reajuste tem efeitos retroativos a junho de 2018, quando o contrato completava dois anos --- ele foi assinado em 30 de maio de 2016, mas com ordem de serviço para o dia 1º de junho.

Esse reajuste, de cerca de 5%, representa um custo mensal extra de aproximadamente R$ 300 mil. Antes, em fevereiro de 2018, o contrato já havia sido reajustado em 11,21%. Desde o dia 27 de fevereiro a reportagem cobra uma explicação para o reajuste concedido e para seu efetivo retroativo, mas até agora não recebeu uma resposta do governo Ortiz.

Quando o contrato foi firmado, em 2016, a previsão era de que ele custaria R$ 2,087 bilhões ao município durante 30 anos, o que representaria uma média de R$ 5,827 milhões mensais.

Em 2016, a média mensal de repasses foi de R$ 4,312 milhões. Em 2017, passou para R$ 4,686 milhões. Em 2018, para R$ 5,832 milhões. E esse ano, com o reajuste, será de R$ 6,139 milhões.

Somando os sete meses de contrato em 2016 e os anos de 2017, 2018 e 2019, a prefeitura deverá chegar ao fim desse ano já tendo repassado R$ 230 milhões ao consórcio.

Metas

A EcoTaubaté é responsável por toda a limpeza urbana do município, o que inclui, entre outras coisas, coleta, transbordo e destinação do lixo domiciliar, coleta seletiva, varrição, poda de árvores e capina.

O contrato firmado em 2016 prevê uma série de metas ao longo dos 30 anos. Algumas deveriam ter sido cumpridas até junho de 2018, mas seguem no papel - apesar disso, a data coincide com o efeito retroativo do último reajuste.

Até junho de 2018, por exemplo, o consórcio deveria ter implantado uma ação que possibilitasse redução de 10% da massa recolhida das ruas (como uma termelétrica, que produziria energia a partir da queima do lixo domiciliar) e uma unidade de compactação de resíduos sólidos domiciliares - nada disso foi feito até agora. Também seguem no papel a usina de compostagem, que seria utilizada para transformar resíduos de feiras livres e das podas em adubo orgânico, além de uma autoclave (lixo hospitalar) e uma usina de reciclagem de entulho da construção civil - esse pacote havia sido prometido para o segundo semestre de 2017.

Além disso, em julho de 2018 houve uma redução na coleta seletiva: o número de bairros com coleta diária caiu de 24 para 7, sem que houvesse diminuição no valor pago ao consórcio por esse serviço.


11 08 2020 regiao crz numero corona

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01