02 08 2020 regiao empresarios reclamamEmpresários e comerciantes reclamam do vai e vem na decisão de reabertura dos comércios em São José dos Campos. A gestão havia publicado um decreto passando a cidade para a fase amarela do plano de flexibilização, mas foi barrada pela justiça na sexta-feira (31/07). Os empresários alegam que foram feitos investimentos e contratações para reabertura que agora seguem sem data para acontecer.

A decisão veio quatro dias depois da reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza, que aconteceu na terça-feira (28/07). A permissão foi feita pela prefeitura, que contestou os dados do governo estadual já na última semana, alegando que teria condições de avançar para a fase amarela.

De acordo com a avaliação estadual feita na sexta-feira (31/07), por causa da alta de casos, o Vale do Paraíba segue em fase laranja, com restaurantes, bares e praças de alimentação fechadas. O anúncio estadual veio seguido de uma determinação da justiça ordenando que o decreto perdesse o efeito e os estabelecimentos fossem fechados.

Com o abre e fecha, comerciantes que lamentavam perdas com o período de pandemia acumularam novas contas com contratações, compra de insumos e material para a reabertura que durou apenas quatro dias.

Em uma padaria da zona sul de São José dos Campos, as mesas estavam prontas para receber os clientes. O estabelecimento estava com os funcionários com os contratos suspensos, atendendo em menor número, apenas com retiradas no balcão.

"Chamamos seis funcionários porque sabíamos que os primeiros dias seriam mais tranquilos, até o pessoal começar acostumar de novo a voltar na padaria. Mas, infelizmente, voltamos na estaca zero de novo", disse o proprietário da padaria, Fernando Evaristo.

Ao todo, 15 funcionários estão com contratos suspensos no comércio. O proprietário ainda questiona a decisão de manter restaurantes fechados. "Se a gente analisar hoje, você sentar na padaria, em um comércio, e comer e beber, você está correndo menos risco do que em um ônibus. No ônibus, com todo mundo aglomerado, você fica uma hora, uma hora e meia, dependendo do trajeto", completou.

Jaime Alves é proprietário de um salão de beleza em São José dos Campos. Nesta semana, ele tinha investido em mais produtos para atender os clientes com a reabertura.

"Avisamos os colaboradores, os clientes, que estávamos de volta. O atendimento foi em torno de 30% do movimento do salão. Dos 15 colaboradores, trabalhamos com quatro colaboradores. Agora, fomos surpreendidos na sexta-feira que temos que parar de novo".

Segundo o vice-presidente do sindicato de bares e restaurantes, Ricardo Sampaio, a categoria é a mais atingida com a restrição do comércio e segue rigoroso protocolos de saúde. "Nós seguimos protocolos da vigilância sanitária, regras rígidas de segurança. Com lotação e horário reduzido, a categoria tinha condição de voltar sem risco", comenta.

De acordo com a entidade, os donos de estabelecimento vão respeitar a decisão judicial, mas esperam que a prefeitura tente uma liminar para que possam abrir até a próxima avaliação estadual, que acontece na próxima sexta-feira (07/08).

"Precisamos retomar as atividades, não temos condições Nossa expectativa é que a prefeitura consiga uma liminar na justiça até que o estado avalie que estamos em fase amarela e possamos voltar", comentou.

Prefeitura questiona decisão

Ainda na sexta-feira (31/07) o prefeito de São José dos Campos, Felício Ramuth (PSDB), repercutiu a medida, questionando a decisão da justiça, em entrevista.

"Fui surpreendido com essa decisão judicial, já que houve uma mudança radical de postura da própria juíza responsável pelo caso. Nosso prazo (para apresentar os números) terminaria no próximo dia 5", comentou.

A justiça havia dado prazo para que a prefeitura argumentasse com dados a decisão de avançar na flexibilização. De acordo com a prefeitura, as informações apresentadas na avaliação estadual não estariam corretas e a gestão passaria a ter uma 'transparência' própria para as informações sobre a Covid-19 na cidade.

Antes de responder à justiça, no entanto, o decreto foi revogado. De acordo com o texto da juíza Laís Helena de Carvalho Scamilla Jardim, não cabe ao município contrariar as decisões tomadas pelo Governo de São Paulo.

Desde o anúncio da reabertura, o estado vem negando os erros nos dados.São José dos Campos tem 7.142 casos confirmados de coronavírus. Mais da metade deles foram confirmados em julho, 3.947. O número de mortes pela doença também disparou no último mês, com 109 óbitos a mais. No total, a cidade tem 204 mortes pela Covid-19.


an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01