08 02 2019 brasil palocciO ex-ministro Antonio Palocci afirmou, em depoimento à Polícia Federal, ter sido chamado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para "assumir" as obras no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). O delator, no entanto, diz ter recusado o pedido do petista para não atrair investigações.

O imóvel foi pivô da condenação do ex-presidente a 12 anos e 11 meses de prisão proferida pela juíza Gabriela Hardt na quarta-feira, 6. A magistrada entendeu que as reformas de R$ 1 milhão no Sítio custeadas por OAS, Odebrecht e Schahin foram uma forma de pagamento de propinas ao ex-presidente.

O depoimento de Palocci foi prestado no dia 17 de abril de 2018, dez dias após a prisão de Lula para a execução de pena no processo do triplex (12 anos e um mês). As declarações foram prestadas no âmbito de uma investigação de obstrução à Justiça.

O ex-ministro falou sobre o suposto vazamento das investigações da Operação Alethea, 24ª fase da Lava Jato, em que Lula foi conduzido coercitivamente em maio de 2016.

Palocci afirmou que o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, "informou que souberam previamente que viria a ocorrer uma operação contra o ex-presidente Lula, não sabendo precisar se seria cumprida prisão ou condução coercitiva e que informou que souberam previamente da data".

O delator ainda afirma que Paulo Okamotto "informou que teria feito 'uma limpa' em sua residência em Atibaia/SP, assim como Clara Ant e que lamentaram o fato de que Lula não tenha feito o mesmo e, por isso, encontraram documentos comprometedores em sua casa e no sítio de Atibaia/SP".

Sobre o imóvel, Palocci diz ter sido chamado por Lula, que "lhe indagou se poderia assumir o pagamento das reformas feitas no sítio de Atibaia/SP". Ele afirma ter negado a proposta por dois motivos: "primeiro achava que a polícia viria a descobrir, segundo pelo fato de que não existiram grandes saques em espécie pela Projeto - empresa de Palocci, não tendo o como o Palocci justificar os pagamentos das reformas"

O ex-ministro afirma que "se negou, tendo Lula orientado que procurasse na sequência Paulo Okamotto e que Paulo Okamotto insistiu, no mesmo dia, ainda no Instituto Lula".

O delator afirmou ter continuado a "se negar a assumir o pagamento das reformas" e que Paulo Okamotto, "então, solicitou se poderia ele buscar um outro empresário para assumir as reformas"

Palocci afirma que Okamotto, então, procurou representantes da OAS e Odebrecht e que "tais empresários entenderam que era melhor não assumir publicamente a responsabilidade pelas reformas, pois os valores empregados eram de caixa 2".


15 08 2020 regiao crz numero corona

an paulo bento

an luiz octavio

cartilha detran servicos digitais final at Página 01